Home Jornal da Capital Cultura Exposição inédita de Xadalu Tupã Jekupé na Fundação Iberê aborda o apagamento...

Exposição inédita de Xadalu Tupã Jekupé na Fundação Iberê aborda o apagamento da cultura indígena

123
0

No dia 14 de maio, sábado, a Fundação Iberê inaugura uma exposição inédita de Xadalu Tupã Jekupé, Antes que se apague: territórios flutuantes. Com curadoria de Cauê Alves, curador-chefe do MAM São Paulo, a primeira individual do artista na instituição é, também, mais do que arte; aborda a questão do apagamento da cultura indígena na região oeste do Rio Grande do Sul, onde diversas etnias foram dizimadas. “O trabalho de Xadalu nos abre uma perspectiva da história a partir da visão dos que perderam as batalhas. Não apenas a Guerra Guaranítica, mas também as pequenas batalhas cotidianas, aquelas que silenciosamente vão sendo travadas e talvez nem sejam percebidas como uma batalha por quem venceu. Contribui para que outro modo de vida ganhe visibilidade e possa se tornar possível. Numa época em que as mudanças climáticas afetam a todos, a promessa de uma nova relação com a terra, antes que ela se apague completamente, só se cumprirá quando os saberes dos povos originários forem respeitados”, destaca Cauê.

Antes que se apague: territórios flutuantes apresenta 19 obras, que ocuparão o segundo andar da Fundação. Quatorze delas foram produzidas para esta mostra. Além do tamanho, que vem justamente para impactar, elas são memórias da infância de Xadalu Tupã Jekupé, bem como de sua mãe, de sua avó e de sua bisavó, na antiga Terra Indígena Ararenguá, na beira do Rio Ibirapuitã, em Alegrete. Memórias da casa de barro, sem luz elétrica, do fogo de chão e da pesca. Memórias das águas geladas que atravessavam todos os dias em busca de alimento e das infinitas noites escuras, apenas iluminadas pelas estrelas.

Como escreve Cauê para o catálogo da exposição: “Quando Xadalu demarca Porto Alegre, com seus adesivos, cartazes, pinturas ou bandeiras, como “área indígena”, está completamente correto do ponto de vista histórico. Todo o Brasil já foi território indígena. Mais do que a reinvindicação do direito ao território, trata-se de uma reocupação simbólica dele. Uma espécie de reconquista que não é como a conquista colonial, que explora e destrói a terra, seja pelo garimpo, a monocultura ou a construção de cidades e monumentos, mas de modo singelo, chamando atenção para quem sempre esteve ali, sentado, resistindo, mas que foi praticamente apagado, como se os indígenas tivessem perdido sua visibilidade. É inegável que os lambes de Xadalu tencionam o espaço urbano ao agir sobre a noção de pertencimento, exclusão e demarcação simbólica da cidade.”

Prêmio PIPA 2022
Pela primeira vez, Xadalu Tupã Jekupé é indicado ao Prêmio PIPA 2022, um dos mais relevantes prêmios brasileiros de artes visuais. Neste ano, fazem parte do Comitê de Indicação 25 nomes, formado por críticos e curadores, artistas, colecionadores e professores de todas as regiões do país.

Exibição de documentário em diálogo com a exposição
No dia 14 de maio, sábado, às 16h30, a Fundação Iberê exibe o episódio de Xadalu Tupã Jekupé para o documentário MISTURADOS, seguido de um bate-papo sobre a produção com os diretores Luiz Alberto Cassol e Richard Serraria, o artista e Cauê Alves, curador da exposição Antes que se apague: territórios flutuantes.

A web série fala das influências e das trocas culturais presentes na vida e na obra de sete artistas nas áreas da música, do cinema, da literatura e das artes visuais que vivem no Rio Grande do Sul. A concepção de diversidade contida neste projeto é viva e inovadora, pois reconhece a equidade de etnias e de gênero e destaca significativas contribuições do patrimônio histórico e cultural do Estado, sem separar as culturas “em caixinhas” e sem manter os artistas em territórios isolados.

A realização de MISTURADOS é da Leososamusica Produções Musicais, com roteiro e direção de Luiz Alberto Cassol, Ricardo Almeida e Richard Serraria. A produção executiva é de Leo Sosa e a produção-geral de Ricardo Almeida.

SERVIÇO
Exposição Antes que se apague: territórios flutuantes
Artista:
Xadalu Tupã Jekupé
Curador: Cauê Alves
Onde: 2º andar da Fundação Iberê
Endereço: Avenida Padre Cacique, 2000 – Bairro Cristal
Visitação: 14 de maio a 31 de julho de 2022
Horário: Quinta a domingo14h às 18h (última entrada)
Ingressos: Às quintas-feiras, a entrada é gratuita; de sexta a domingo, os ingressos custam entre R$ 10 e R$ 30, com agendamento pelo site do Sympla
Link: https://bileto.sympla.com.br/event/66447/d/137338

Fonte: Imprensa Fundação Iberê Camargo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here